Sangue; Ah! Memória (Poesia)

De Enigma
Ir para: navegação, pesquisa

Poesia.

Aguarde a tradução para as Conlangs do projeto, ainda que demore.

Nota: Alguns direitos reservados (Sol Cajueiro).

Siga para Enigma:Aviso_geral para ver a licença.

Siga para Poesias (lista) para ver a lista com todas as poesias publicadas.

Esta poesia foi publicada no Mais Poesia de 16 de Abril.

Sangue; Ah! Memória

–– 2014, Belo Horizonte

Imitação de memória

Voe perfeição –– perto de mim

O espírito que é te habita

Sem paraíso, sem perdição

Não sabe o que fazer

Não sabe o que dizer

Ah! –– O anjo que vai ao bar

Ao encontro do anjo que está lá

Que gosta de estar entre eles

Os mortais –– e falar, e beber

Saudações!, ele oculta salvação

Imitação que não limita

Salva-te, vá! Me deixe estar

Eu sei o que queres de mim

Memórias mortais –– Saber

Tão perto –– à minha frente

Atravéz do tempo, eu espero

Ah! –– Ninguém para culpar.