Prelúdio (Poesia)

De Enigma
Ir para: navegação, pesquisa

Poesia.

Nota: Todos os direitos reservados (Sol Cajueiro).

A versão em minha língua Akkia encontra na versão em Português o mesmo sentido.

Prelúdio

–– 2014, Belo Horizonte

Não era

Era dia porque

Por sua causa

Quem sabe

O Oráculo do Tempo

Templo, O Corpo

Seja morto

Imortal, a sonhar

Acordado a velar

Quem sabe

Não me diga

Não diga, me siga

Não era

Era, me pertence

Perto, uma chance

Quem sabe

Aquele que observa

Você que me espera, vá

Sem me pertencer

A escolha, fez

Te vejo viver

Quem sabe

Entender, era uma

Vez,...

–––––––––––––

Tokjoo

–– 2013, Béale (Belo Horizonte)

Tu ga

Addou täi taasta

Ber taas ku fuat

Nan kożae wa

Die Zozyér a Kloeyer

Ottoma, Die Bullba

Adda fau

Uffau, wa iumahai

Ajjyae a flegustkjivva

Nan kożae wa

Aklai ga sui

Aklaée ga, kakoo te sua

Tu ga

Addou, sui diozah

Majka, tae toi ya

Nan kożae wa

Nao wa beatmersch

Tu wa sutus abubda, yalée

Diozakjitayór ga sui wa

Die awa, loridamma tu

Suyer mersch tuta aboa

Nan kożae wa

Inkiahai, addou takai

De,...