A Escolha (Poesia)

De Enigma
Ir para: navegação, pesquisa

Poesia.

Aguarde a tradução para as Conlangs do projeto, ainda que demore.

Nota: Alguns direitos reservados (Sol Cajueiro).

Siga para Enigma:Aviso_geral para ver a licença.

Siga para Poesias (lista) para ver a lista com todas as poesias publicadas.

Esta poesia foi publicada no Mais Poesia de 16 de Abril.

A Escolha

–– 2014, Belo Horizonte

Não posso ver

Imenso é o mesmo mar

Intenso amar

Te observo querer –– e esperar

Salve-se, vá! Eu não ligo

Te vejo sonhar

Só para se condenar

A sua Eternidade

Vamos esquecer as lágrimas

Ainda depende de você

A Escolha é pura, questão

De oportunidade.

–––––––––––––––––––

Die Awa

–– 2013, Béale (Belo Horizonte)

Mersch far ga

Sur da samea koeoezye

Bubittou amiltva

Beatmersch tu motva –– abubda

Izledór te yalée! Su middór ga

Su mersch tu iumah

Niyssen obbai jawlae

Die obber Eyye sa

Baischatkjivva die lïnnela

Obber buddida ya

Awa da ambbrae, katus

Vrijlugyer da.